publicidade

Estudo revela que de 32 dietas famosas, apenas 2 realmente funcionam

Segundo a pesquisa, resultados a longo prazo são os mais importantes.

Rui Davi - Publicado: 24/11/2016 11:08 | Atualizado: 24/11/2016 13:23
14
Clique no "joinha" para bombar este post!
1
0
0
publicidade

Hoje em dia existem dezenas de programas de dietas – umas mais restritas ou “malucas” que outras -, mas todas com algo em comum: prometem fazer as pessoas perderem peso e se manterem magras.

Mas, segundo a ciência, essa não é a realidade, pelo menos para a maioria delas.

– Estou comendo uma dieta equilibrada?

Um estudo, publicado na revista Annals of Internal Medicine e realizado por pesquisadores da Johns Hopkins University, nos EUA, revisou 4.200 trabalhos dos 32 maiores programas de dieta comercializados na Terra do Tio Sam.

Os resultados mostraram que dessas empresas, apenas 11 possuem o chamado “Padrão Ouro” de confiabilidade e só 2 delas têm a eficácia comprovada por dados seguros.

publicidade

As duas dietas que realmente funcionam

Após analisar as informações das empresas de emagrecimento, os cientistas concluíram que apenas os programas Vigilantes do Peso (Weight Watchers), que ensina reeducação alimentar, e o Jenny Craig, que usa refeições pré-prontas, mostraram real perda de peso e a manutenção dele. 

publicidade
  • O Vigilantes do Peso (Weight Watchers) é uma organização mundial que estimula a perda de peso de seus clientes por meio de reuniões de apoio e mudança no cardápio, sempre com controle da ingestão de calorias.
  • Já no Jenny Craig, disponível apenas nos Estados Unidos, o inscrito tem uma consulta com o especialista. Ele elabora a estratégia de emagrecimento e monta um cardápio, então a pessoa recebe as suas refeições pré-prontas, de acordo com sua programação.

Outros, como o NutriSystem e Atkins, tiveram bons resultados, porém, precisam de mais estudos que comprovem a perda de peso a longo prazo, segundo a avaliação.

Geradores do “Efeito Sanfona”

Segundo Kimberly Gudzune, especialista em perda de peso da Faculdade de Medicina da Johns Hopkins Universityquando as pessoas entram em programas de emagrecimento, elas pensam que vão perder grandes quantidades de peso. Isso não é impossível, mas não é o mais comum de acontecer.

No geral, os sistemas de emagrecimento mostraram resultados até promissores, mas faltaram dados que comprovassem a perda de peso entre 6 meses e 1 ano de dieta.

O programa Atkins, por exemplo, com sua dieta rica em gordura e pobre em carboidratos obteve resultados apenas esperançosos para perda de peso de seis a 12 meses, revela a profissional.

– Cinto Sauna

No caso do popular NutriSystem, ficou evidenciado o emagrecimento nos três primeiros meses de uso, mas eles não tinham estudos que comprovassem a perda de peso a longo prazo.

Além disso, programas que utilizam a técnica de substituição por refeições de baixa caloria, como o Medifast, não tiveram evidências que garantissem a perda de peso além dos seis meses de uso.

“Metas de longo prazo”

Os pesquisadores descobriram que os programas Vigilantes do Peso e Jenny Craig foram os únicos com dados confiáveis. Eles demonstraram que os participantes continuaram perdendo ou mantiveram o peso após 1 ano de dieta.

Os usuários do Vigilantes do peso perderam 2,6% a mais de peso do que os de outros métodos. Os do Jenny Craig perderam 4,9% a mais. Apesar dos números parecerem modestos, o fato de os usuários continuarem perdendo peso ou manterem o que perderam após 12 meses é um dos fatores mais importantes, segundo os especialistas.

Soy 502, http://www.soy502.com/articulo/sobrepeso-50-anos-puede-adelantar-aparicion-alzheimerSoy 502

A co-autora do estudo e diretora da Divisão Geral de Medicina Interna, Jeanne Clark, ressalta a importância de seguir a dieta por mais de 1 ano. Ela diz que os benefícios da perda de peso, incluindo a diminuição da pressão arterial, do colesterol e da taxa de açúcar no sangue, juntamente com a diminuição do risco de doenças, como diabetes, são “metas de longo prazo”.

“Perder peso por três meses e, em seguida, recuperá-lo, tem benefícios limitados para a saúde.”, revela a especialista.

Fonte(s): Hub Johns Hopkins University, Catraca Livre, Veja, Annals of Internal Medicine


Destaques do Alô, Alô? Testando!

14
Clique no "joinha" para bombar este post!
1
0
0
Comunicador baiano que toca guitarra e ainda espera ser um astro do Rock. Enquanto isso, se contenta em escrever. Fã de boas histórias. Faz roteiros, fotografa, edita videos, canta e sapateia.
publicidade

Comente!

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade