publicidade

Como acabar com o choro de qualquer criança com apenas uma pergunta

A técnica pode servir para os adultos também.

Gabriela Roman - Publicado: 23/02/2017 12:27 | Atualizado: 23/02/2017 12:34
697
Clique no "joinha" para bombar este post!
2
0
0
publicidade

Birra de criança, pior que isso só o nosso salário.

Os pequenos armam o maior escarcéu e a gente, sem saber o motivo daquilo tudo, fica com a maior cara de tacho. Ainda que exista um problema de verdade, nós não o vemos da mesma perspectiva da criança e, por isso, é muito difícil convencê-las a parar com o chororô.

Mas a Fabiana Santos, jornalista e mãe de Felipe, de 11 anos, e Alice, de 5, parece ter descoberto como acabar com qualquer chilique infantil. E quiçá de alguns adultos também!

publicidade

A resposta é, na verdade, uma pergunta. Ela postou um texto em seu blog Tudo Sobre Minha Mãe contando o caso.

publicidade

Tudo começou quando Alice, sua filha menor, entrou na escola. Sua ansiedade e nervosismo refletiram também em casa. Ela começou a fazer drama com qualquer coisa e, por indicação da escola, a família procurou uma psicóloga infantil para que a menina pudesse se abrir e se acalmar.

A psicóloga Sally Neuberger instruiu Fabiana a respeitar o problema de Alice, por menor que parecesse, dando valor ao sentimento da menina. Segundo a profissional, a partir dos 5 anos a criança precisa procurar uma resposta sobre o que está acontecendo com ela e ser incluída na solução do problema. A pergunta que deve ser feita é:

“Isto é um problema grande, um problema médio ou um problema pequeno?” 

Independente do motivo do drama, seja porque a criança não quer tomar banho, porque a sua boneca preferida perdeu o braço ou porque ela não está se saindo como gostaria em alguma atividade, a pergunta deve ser feita sem julgamento de valor.

Segundo Fabiana, a pergunta resolveu o problema e toda vez que ela é feita, a família acha uma solução à inquietação a partir da resposta de Alice. Se o pequeno acha que uma coisa boba é um problema grave, não o desconsidere. Para ele, é um grande problema.

Um problema pequeno é rápido de resolver, um médio talvez não seja resolvido prontamente e um problema grande pedirá um pouco mais de conversa e atenção.

A mãe diz que agora que Alice já sabe como funcionam os tamanhos dos problemas, ela mesma se acalma e compreende que tem solução para tudo. Outra dica importante, não esqueça de elogiar seu filho por ter resolvido a questão.

Segundo a jornalista: “Já teve vezes dela ser sincera em dizer: ‘Acho que isso nem é um problema, mamãe’.”

Fonte(s): Tudo sobre minha mãe
Imagem de capa: Jill Greenberg


Destaques do Alô, Alô? Testando!

697
Clique no "joinha" para bombar este post!
2
0
0
Roteirista, viajante profissional e amante da internet e das zueiras que vêm com ela.
publicidade

Comente!

publicidade
publicidade
publicidade